Meu perfil
BRASIL, Sudeste, ITAPETININGA, CENTRO, Mulher, de 26 a 35 anos, Portuguese, Livros, Informática e Internet
MSN -




Arquivos
Ver arquivos anteriores

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 Chico Buarque
 saudade do papel
 sentir é um fato
 confissoes de um viajante
 contra o vento
 Linaldo Guedes
 Nada e por acaso
 Dicotomia Auriverde
 blog kálido
 ozeas
 Meias Intimidades
 loba
 Ricardo Rayol
 o pastrame
 antigas ternuras
 Rua de Mão Única
 Avesso do Avesso
 madame
 inlabirintus
 concretismo
 Marcia Maia
 Paulinho Patriota
 Observadoor
 cassio amaral
 a outra madame (Dira)
 Anne
 lex
 marcos pardim
 devaneios de lilith
 O Rebelde
 O espirito da ideia
 faca de fogo
 Franklin
 blog do do







Oxigênio
 


republique

Escrito por cláudia às 13h03
[] [envie esta mensagem
]





dobrei, em quatro partes o meu passado

e guardei na gaveta dos abstratos e inanimados sonhos que busquei em vão,

pertencentes a minha solicitude,

Aqui em mim, hoje é dia de recomeços,

embora sempre no avesso, dúvida de mim mesma, sempre ... ainda assim.

Todos esses reflexos do temperamento incansável de quem não consegue conjugar verbos

adequadamente, não se abranda, não se conforma e não aceita, e não informa paradeiro, porque

simplesmente existo, estou aqui, e isso é um fato pra lá de concreto,

Não vou me entregar a morbidade de apenas estar vivendo,

eu preciso viver

Da busca incessante...

de amor, sobriedade, solidariedade, calma e equilíbrio quando destoam as canções...

Preciso viver dosando a loucura e a razão dentro de mim, achando qualquer espaço, ainda que haja a

possibilidade disso nunca acontecer e se ainda assim, eu tiver que no próximo ano, no dia 01/06, dobrar em quatro partes meus sonhos, aspirações, não tem problema ,

eu vou recomeçar sempre...

 

e feliz aniversário para mim....

 



Escrito por cláudia às 08h59
[] [envie esta mensagem
]





abro aspas

lobamulher@uol.com.br

 

Como o próprio enunciado já diz...é uma coletânea de escritores blogueiros

e com todo o empenho possível, da minha querida amiga  Euza, que conduziu

com um esforço e competência a tarefa que se propôs a fazer.

Quem quiser é só contatá-la.

beijo a todos

 



Escrito por cláudia às 22h16
[] [envie esta mensagem
]





eu conheço

poucos tropeços

mas esse equilibrio, quando vc. caminha

um pouco mais 

fica tão sem graça.



Escrito por cláudia às 12h49
[] [envie esta mensagem
]





era só mais uma manhã

cheia de sol, em mais um domingo

daqui da janela, podemos ver os manacás coloridos, o pasto sem fim, e o gramado raso

o inverno se encarrega de torna-lo curto,

o cheirinho do café, o leite quente que na fervedura, derramou

restos do sono, as vezes é assim.

Um sorriso, porque esbravejar não resolve a situação, um pano e pronto

tudo limpo de novo, ao menos dá tempo do leite esfriar.

Os planos

O parque, a bicicleta...o gramado...a leitura na manhã de sol.

Os filhos no parque de diversão, o almoço com a mãe,

Nada melhor...nada mais perfeito, que um domingo de sol.

 

 



Escrito por cláudia às 20h44
[] [envie esta mensagem
]





quase uma simbiose

essa segunda pessoa

que dorme no meu sono, sonha os meus sonhos

rouba minha cadência

tem se mostrado melhor que eu,

infinitivamente melhor do que pensei ser eu.

 

foto_Pedro_peralta

 



Escrito por cláudia às 22h07
[] [envie esta mensagem
]





quem sabe os delírios da paixão,

não tardarão em desequilibrar esse humano,volátil

sentir a sensação do voo livre,

desvincular a realidade da ficção

e achar que ainda é possível amar.

 

Quem sabe aparece um ermitão,

um homem disfarçado de homem, genero em descontrução.

alimentando a alma com a sua solidão,

e  sem se oprimir ante da imaculação,

 

Será esta paixão passível de erros?

será este doutrinar fictício que falta

para alimentar as almas,

será apenas o ilusionismo que a sensação de fome, absoluta

nos dá?

um ópio?

que será?

qual será essa sensação....oportuna que desajusta

os neurônios antes tão sábios, e cheios de razão...

 

 

 

 



Escrito por cláudia às 21h55
[] [envie esta mensagem
]





há quem veja nos  outros

apenas  última moda ,

segue o modelo

se bom... vira referência,

se ruim...vira bode espiatório

há até quem se contente com isso...

 

 

 

 

 



Escrito por cláudia às 21h55
[] [envie esta mensagem
]





me deixe ser a vadia nesta noite,

rasgue minha pele, com sua barba por fazer,

seja ofegante em meu ouvido, e descubra a minha cumplicidade

não espere

ofereça a sua força que faz a diferença,

seja breve, seja amante

arranque os meus gemidos,

contidos

e misture o desejo que rompe

que celebra

que antecede, levante a minha perna

e me olhe nos olhos, antes que eles se fechem

de prazer.

 

 

 

 



Escrito por cláudia às 22h45
[] [envie esta mensagem
]





 

 

eu me ouço

( timidamente rindo de mim)

eu me uso

( para testar a minha paciência)

e entre as dificuldades de me perdoar

eu nunca me despeço, de mim mesma.

 



Escrito por cláudia às 22h06
[] [envie esta mensagem
]





Até aqui no meu interior, onde as notícias chegam à cavalo e não de metrô, foi instalado o medo e o pânico por conta do Primeiro Comando da Capital.

Capital que nada,

Estavam bem aqui na minha frente, no meu interior.

Bares, escolas públicas, postos de gasolina, farmácias fecharam as portas na noite de ontem.

Vias próximas às cadeias foram interditadas. Com "cones"...que quase atropelei, porque além de serem "cones" não fluoreciam na luz.

As 6:45, era uma terra de ninguém.

Me senti alienada.

Ouvi o dia todo, sobre os boatos, e como não costumo dar muito "ouvido", para esse tipo de notícia que vai de boca em boca, e costuma gerar o medo, o pânico e principalmente o despreparo para enfrentar as situações, não que não fossem situações graves, claro, mas por aqui, até pela falta do "costume" vão além da imaginação.

__ Passei pelos "cones" e pensei comigo.

__ Deus, a polícia tem "cones".

Era uma terra de ninguém.

A cidade, quieta por natureza estava às moscas, honestamente, não vi nenhum carro além do meu, na Avenida.

e eu estava ali, por pura necessidade.

 

Hoje pela manhã, vim a saber, que todas as cidades da região, sofreram ameaças e quando não foram atacados shopping com metralhadoras, etc...etc...etc.

Isso nos dá uma vaga idéia, de quanto eles estão organizados. 

Passo assim, meio vaga pela Avenida, pelos cones, paralelamente as vias públicas interditadas.

Uma terra de ninguém.

Site_o_globo 

 

 



Escrito por cláudia às 14h35
[] [envie esta mensagem
]





apenas um lamento:

tenho enfrentado da euforia ao descontentamento

da multidão à solidão,

tenho diversificado os estados em mim

como mutante, camaleão,

tenho resistido, me contido...

tenho vivido...

tenho?

 

 



Escrito por cláudia às 22h50
[] [envie esta mensagem
]





dia das mães

Até parece que somos mães apenas um dia do ano.

Mas como o comércio merece também sobreviver então

a gente entra na onda...e comemora, merecidamente.

 

Ser mãe é maravilhoso.

Ainda que a gente fique vermelha de raiva pela teimosia,

ou amanheça em claro...pela febre que não abaixa, ou pela tosse que não passa

ou então, pelo adolescente que não chega, pelo choro que não para, e só seu peito o alimenta

da fome, ou do carinho,  enfim...

O que vale mesmo é o sorriso de um filho...

Não existe melhor presente.

A saúde de um filho, não existe melhor presente.

Amamos incondicionalmente.

E quando tentamos observar a magnitude deste amor 

não existe uma lógica, capaz de explicar.

 

Ser mãe, é sem dúvida, maravilhoso.

 

e fica aí uma dica, para as futuras mamães...

o melhor alimento...mais completo, que um filho pode ter.

Não tem segredo...

A natureza é sábia...

 

Feliz dia das Mães...

A todas...nós.

E um beijo enorme no coração



Escrito por cláudia às 22h29
[] [envie esta mensagem
]





sua voz suave

acalanto de quem precisava ouvir o carinho

que vem de lá

de longe

 



Escrito por cláudia às 22h03
[] [envie esta mensagem
]





 

nós dois, flores de manhã,

beijos pra você

abraços pra mim

lençol de lá pra cá,

em cima de nós

 

um sorriso inspirador,

um jeito composto por nós dois,então:

nada mais. Só o nosso, calor.

 

 

 



Escrito por cláudia às 21h34
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]